DJ Alok e banda Titãs doam direitos autorais para o Instituto Anelo

FOTO: Titãs e Alok/ CRÉDITO: Divulgação

O DJ Alok e a banda de rock Titãs doaram direitos autorais para o Instituto Anelo, associação sem fins lucrativos que oferece aulas gratuitas de música a moradores da região noroeste de Campinas (SP), no distrito do Campo Grande. O anúncio oficial foi feito no Caldeirão do Huck exibido na tarde deste sábado (29/12/2018), na Rede Globo de Televisão. Além disso, a produção do programa doou R$ 15 mil ao Anelo para a compra de instrumentos musicais.

Alok produziu, junto com Bhaskar e Adriano Machado, uma versão remix de Epitáfio, sucesso dos Titãs composto por Sérgio Britto e lançado originalmente em 2001. Os direitos autorais sobre essa nova versão, disponível desde sexta-feira (28/12/2018) nas plataformas digitais, passam para o Instituto Anelo. Alok também doou para a instituição a parte que lhe cabe dos direitos autorais de Pray, seu novo sucesso lançado em parceria com o cantor inglês Conor Maynard.

O anúncio no Caldeirão do Huck foi precedido por uma reportagem sobre o trabalho do Instituto Anelo e sobre seu fundador, o músico Luccas Soares, e de uma apresentação de Epitáfio com Titãs, Alok e Anelo, representado no palco do programa pelos seguintes alunos, ex-alunos e professores: Alissa Gondim, Anna Clara Gonçalves Lima, Bruno Henrique dos Reis, Claudionor Canciano, Deivyson Fernandes Araújo, Eivone da Cruz, Filipe Lapa, Gabrielly da Cruz Donério, Gustavo Canciano, José Wilson Novaes da Silva, Josué Ferreira Ferraz, Júlia de Toledo Piza Furlan, Júlia Mazzotti Toledo, Kauã Jhônatas Santa Rosa Pereira, Levi Macedo, Luccas Soares, Luis Henrique Galvão, Marisa Molchansky, Rômulo Felipe de Oliveira e Thiago Silva Santana.

Palco do Caldeirão do Huck (CRÉDITO: Lalá Ruiz)

 

COMO COMEÇOU

A história do Caldeirão do Huck com o Instituto Anelo começou com uma carta enviada por Manoel Messias Silva Gondim, pai da aluna Alissa Gondim, à produção do programa. A carta chamou a atenção do apresentador Luciano Huck, que fez uma visita surpresa ao Instituto Anelo na manhã do dia 9 de Novembro. A produção do programa, contudo, permaneceu na cidade por dois dias.

Entre essa visita e a gravação do Caldeirão do Huck, que ocorreu no dia 10 de Dezembro no complexo de estúdios Projac, no Rio de Janeiro, foram muitas conversas telefônicas, ensaios e gravações nos estúdios TS7, em Campinas, e Mosh, em São Paulo.

Para o coordenador geral e fundador do Instituto Anelo, Luccas Soares, a participação no programa “significa muito”. “É uma grande oportunidade de compartilhar um sonho com todo o Brasil, mostrando o poder da música na transformação social. Foi uma experiência inexplicável. Um milagre de Deus em nossas vidas”, disse Soares.

Em tempo: Os bastidores da participação do Instituto Anelo no Caldeirão do Huck serão exibidos no programa Mais Caminhos, da EPTV, afiliada da Rede Globo de Televisão em Campinas, em data ainda a ser confirmada. A emissora enviou uma equipe ao Projac, no Rio de Janeiro, para acompanhar o Instituto Anelo na gravação.

OUÇA A NOVA VERSÃO DE EPITÁFIO

DIREITO AUTORAL: COMO FUNCIONA

De acordo com informações do site Direitos Brasil, os “direitos autorais na música são parte importante da remuneração de compositores, músicos e gravadoras”. Trata-se de uma regulamentação complexa pois, segundo a publicação, implica “não apenas no ordenamento de uma forma de remuneração, mas em uma sistemática de identificação e rastreamento da reprodução das obras”.

Os direitos autorais, explica o site, contemplam dois tipos de propriedade: o direito autoral moral e o patrimonial. “O direito autoral moral é intransferível – é a atribuição da obra a quem a criou. No caso de uma composição musical, por exemplo, o direito autoral moral encontra-se na necessidade de se reconhecer a composição ao seu criador, mesmo que ela não seja comercialmente explorada por ele”, informa o Direito Brasil.

Já o direito autoral patrimonial, de acordo com o portal, diz respeito à utilização comercial de uma obra. “Um compositor pode, por exemplo, vender sua música para um intérprete por uma quantia fixa, por um percentual sobre os lucros ou simplesmente doá-la”, explica o site. Na prática, isso quer dizer que quem detém o direito patrimonial recebe pela reprodução da obra em eventos, no rádio, na TV ou em plataformas digitais. No Brasil, o mais conhecido órgão de fiscalização de direitos autorais é o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad).

O INSTITUTO

Anelo, palavra que significa inspiração, desejo e vontade, dá nome ao Instituto localizado no Jardim Florence I que, desde sua fundação, em 2000, já atendeu cerca de 3.500 alunos (412 só em 2018). Muitos ex-alunos se tornaram professores e músicos profissionais.

Atualmente, a entidade oferece aulas nos seguintes projetos: Brincando com Sons (iniciação musical para crianças de 6 aos 8 anos); Instrumentos e Canto (ensino de instrumentos de cordas, percussão, sopro, teclas e técnica vocal para adolescentes); Prática de Banda (técnicas musicais para adolescentes com alunos de diferentes instrumentos); Sanfônica (ensino de sanfona para pessoas de todas as idades).

Share this article

LALÁ RUIZ, jornalista, curiosa e apaixonada por cultura, comida e viagens, sem qualquer coerência no quesito preferência. Nascida em São Paulo, Capital, e radicada em Campinas, interior paulista, formada em Comunicação Social pela PUC-Campinas e trabalhou durante 26 anos na mídia impressa da cidade, tendo atuado nos jornais Correio Popular, Diário do Povo e Notícia Já.

Post a comment

Facebook Comments