Ponte Nova de Ronda, na Espanha, vira cenário de novela

FOTO: Ponte Nova de Ronda/ CRÉDITO: Lalá Ruiz

A Ponte Nova (ou Puente Nuevo), cartão-postal da cidade espanhola de Ronda, foi um dos cenários escolhidos pela produção da Rede Globo de Televisão para criar a identidade visual de Deus Salve o Rei, a primeira novela medieval da emissora. Construída no século 18, essa obra-prima da engenharia da época une as partes antiga e moderna do município; na trama global, tornou-se a imagem símbolo do fictício reino de Montemor.

Com 98 metros de altura, a ponte foi erguida sobre o penhasco do Rio Guadalevín, precipício conhecido como “El Tajo” de Ronda. É uma visão de tirar o fôlego e passagem obrigatória para quem viaja pela Andaluzia, na região sul da Espanha.

Ponte Nova: é ou não é de tirar o fôlego? (CRÉDITO: Lalá Ruiz)

 

Localização. A cidade de Ronda está localizada na Província de Málaga, a 102 quilômetros de distância da capital regional Málaga, a 127 km de Sevilha, a 167 km de Córdoba e a 187 km de Granada. É possível chegar lá de trem, ônibus ou até mesmo a partir do uso de aplicativos de carona compartilhada como o BlaBlaCar.

Aconselho que se alugue um carro, pois o trajeto entre as principais cidades andaluzas e Ronda é lindo, com estradas estreitas e sinuosas, daquelas que a gente vê em provas de ciclismo, impressionantes usinas de energia eólica e os famosos “Pueblos Blancos”, povoados de casinhas brancas remanescentes da época da dominação árabe na região.

Além da Ponte Nova: o que visitar em Ronda um dia

1. Plaza de Toros de la Real Maestranza de Caballería

Ronda é considerada o berço das touradas como as conhecemos hoje, e a Plaza de Toros que pertence à Cavalaria de Ronda é uma das mais antigas da Espanha. Foi projetada pelo arquiteto Martín de Aldehuela, o mesmo da Ponte Nova, e inaugurada em 1785 com uma disputa entre Pedro Romero (1754-1839), um dos mais importantes toureiros espanhóis de todos os tempos, e Pepe Illo.

Plaza de Toros de Ronda (CRÉDITO: Lalá Ruiz)

 

Com uma arquitetura peculiar que, segundo historiadores, mais parece o claustro da Alhambra de Granada do que uma arena de touros, a Plaza de Toros pode ser visitada diariamente, das 10h às 20h. O ingresso individual custa a partir de 7 euros e inclui, além da Plaza de Toros, a entrada no Museo de la Tauromaquia e na sala da Colección de Armas de Fuego Antiguas y la Real Guarnicionería de la Casa de Orleans.

2. Museo Lara

Localizado na parte antiga de Ronda, na Casa Palacio del Conde de as Conquistas, é o primeiro museu particular do gênero no país. O acervo, pra lá de peculiar, abrange desde a memória da comunicação a objetos de decoração, passando por obras de arte, peças arqueológicas, armas e objetos de tortura utilizados pela Inquisição Espanhola.

Bibelô que faz parte do acervo do Museo Lara (CRÉDITO: Lalá Ruiz)

 

Recomendo. Está longe de ser um Museu do Prado ou Rainha Sofia, mas apresenta um recorte muito curioso da história da Espanha. Entre os meses de Junho e Outubro, o museu funciona diariamente, das 11h às 20h. Já entre os meses de Novembro e Maio, o horário de visitação é das 11h às 19h. Os ingressos custam de 2 a 4 euros.

3. Mirador Natural de los Viajeros Románticos

Trata-se de um mirante de 100 metros de altura que oferece uma vista panorâmica da chamada Serranía (Cordilheira) de Ronda. O acesso é na parte moderna de Ronda, e o local está entre os lugares mais disputados pelos turistas para tirar selfies. A origem do nome nada tem a ver com o amor romântico e remonta a industrialização do norte da Europa, entre os séculos 18 e 19, e consequente destruição das paisagens naturais.

Mirador de los Viajeros Románticos (CRÉDITO: Lalá Ruiz)

 

Nessa época, de acordo com informações o site oficial do departamento de Turismo da Província de Málaga, surgiu um movimento entre jovens da alta sociedade com o objetivo de buscar as raízes da civilização europeia. Chamados de “viajantes românticos”, eles partiam “sem lenço sem documento” em busca da “Europa real”, e a região da Serranía de Ronda foi uma das mais celebradas por esses jovens abastados.

EM TEMPO

  • Se você pretende pernoitar em Ronda, saiba que a cidade possui uma boa rede hoteleira e de restaurantes, além de outros pontos turísticos e históricos de interesse, tais como La Casa del Rey Mouro, os banhos árabes e o Centro de Interpretación Del Vino. Mais informações: www.turismoderonda.es.
  • José María Hinojosa (1805-1833), um dos mais famosos bandidos da Andaluzia (era contrabandista e assaltante de diligências, entre outras atividades pouco nobres), atuou durante um tempo na região. Sua história, assim como a de outros “bandoleiros”, está preservada no Museo Del Bandolero de Ronda.
  • A fama de Ronda, principalmente no quesito touradas, atraiu à cidade, no início do século 20, personalidades aficionadas pela disputa, tais como o escritor norte-americano Ernest Hemingway; o escritor austríaco Rainer María Rilke; e o cineasta americano Orson Welles.

DEUS SALVE O REI

A equipe de produção de Deus Salve o Rei, novela escrita por Daniel Adjafre para o horário das 19h da Rede Globo de Televisão, viajou por oito países da Europa, entre eles Islândia, Escócia e Espanha, para captar imagens de castelos, florestas, vilas e portos. Essas imagens são fundidas com as cenas de estúdio gravadas em chroma key (fundo de tela verde). A Ponte Nova, por exemplo, foi “alterada” nas laterais para apagar os traços da modernidade. Assista ao vídeo sobre a produção:

Share this article

LALÁ RUIZ, jornalista, curiosa e apaixonada por cultura, comida e viagens, sem qualquer coerência no quesito preferência. Nascida em São Paulo, Capital, e radicada em Campinas, interior paulista, formada em Comunicação Social pela PUC-Campinas e trabalhou durante 26 anos na mídia impressa da cidade, tendo atuado nos jornais Correio Popular, Diário do Povo e Notícia Já.

Post a comment

Facebook Comments