Teatro: O Camareiro, com Tarcísio Meira, faz temporada em Campinas

FOTOS: Priscila Prade

Com seis indicações ao Prêmio Shell, o mais importante do teatro brasileiro – a saber: Direção (para Ulysses Cruz), Ator (Tarcísio Meira), Cenário (André Cortez), Figurino (Beth Filipeck e Renaldo Machado), Iluminação (Domingos Quintiliano) e Música (Rafael Langoni Smith e Laércio Salles) -, o espetáculo O Camareiro faz temporada de dois finais de semana em Campinas (SP), a partir desta sexta-feira (4/3/2016).

Com texto do britânico Ronald Harwood e tradução de Diego Teza, O Camareiro estreou em 2015, em São Paulo, e inicia por Campinas a turnê nacional. O projeto, idealizado pelo ator Kiko Mascarenhas (que também integra o elenco da peça no papel de Norman, o camareiro do título), celebra os 80 anos de idade e 60 de carreira de Tarcísio Meira, que voltou as palcos depois de 20 anos sem atuar no teatro.

Aliás, O Camareiro é um espetáculo sobre teatro. A trama, escrita na década de 1980, se passa em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial. Mostra um ator de teatro à beira de um colapso nervoso que luta para interpretar mais uma vez o Rei Lear de Shakespeare. Mesmo senil e com a saúde debilitada, “Sir”, como é chamado por todos, lidera com tirania sua companhia de teatro, que começa a desmoronar.

“Sir é um personagem no limite, que tem de driblar as adversidades para sobreviver”, diz Tarcísio Meira. Para o veterano ator, que ganhou o Prêmio Arte Qualidade Brasil 2015 pela interpretação, O Camareiro tem um texto inteligente, que mescla drama e comicidade. “A plateia se diverte e se emociona”, garante Meira. “É no teatro que público e atores fazem a coisa acontecer, o teatro exige que o público esteja com os atores, é um encontro real.”

Questionado sobre o que o levou a aceitar o papel de Sir depois de 20 anos sem pisar nos palcos, Tarcísio respondeu com um simples “não sei”. “Nunca planejei minha carreira. Minha carreira não é planejada. De repente, as coisas acontecem. O Camareiro foi um presente que ganhei, não esperava. Ninguém fala ‘vou fazer Hamlet’, as coisas acontecem”, afirma o ator, que se diz contente por voltar a Campinas. “Cada vez que venho a Campinas me surpreendo”, garante.

“Quando era menino, lá no meio do século passado, estudei no colégio interno Liceu Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora (localizado no bairro do Guanabara). Quando subia no último andar, via toda a cidade, que cresceu muito. Fiquei feliz em andar por Campinas, e espero andar mais nesses dias”, diz Tarcísio, que achou Campinas “bonita, arrumada, com muitas avenidas e árvores”.

Kiko Mascarenhas em cena de O Camareiro: ator também é o idealizador do projeto

Kiko Mascarenhas em cena de O Camareiro: ator também é o idealizador do projeto

 

Outros atores. Também integram o elenco do espetáculo os atores Silvio Matos (que foi camareiro de Procópio Ferreira, com quem fez temporada em Campinas em 1962), Ravel Cabral (que morou em Campinas, trabalhou na extinta 100% Vídeo do Castelo, estudou desenho com Egas Francisco e se apresenta profissionalmente como ator pela primeira vez na cidade), Lara Córdula, Karen Coelho e a veteraníssima Analu Prestes.

SERVIÇO

O Camareiro
Texto: Ronald Harwood
Direção: Ulysses Cruz
Elenco: Tarcísio Meira, Kiko Mascarenhas, Lara Córdula, Karen Coelho, Silvio Matos, Ravel Cabral e Analu Prestes
Data: De 4 a 13 de Março de 2016
Horários: Sexta e sábado, às 21h; domingo, às 18h
Local: Teatro Brasil Kirin – Shopping Iguatemi Campinas (Avenida Iguatemi, 777, Vila Brandina, Campinas, SP)
Preço: ​R$ 100 (inteira), R$ 50 (meia-entrada), à venda na bilhereria do teatro ou pelo site www.ingresso.com.br
Duração: 120 minutos, com intervalo
Classificação: 12 anos
Informações: (19) 3294-3166, www.teatrobrasilkirin.com.br e www.brprodutora.com

Share this article

LALÁ RUIZ, jornalista, curiosa e apaixonada por cultura, comida e viagens, sem qualquer coerência no quesito preferência. Nascida em São Paulo, Capital, e radicada em Campinas, interior paulista, sou formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) e trabalhei durante 26 anos na mídia impressa da cidade, tendo atuado nos jornais Correio Popular, Diário do Povo e Notícia Já.

Post a comment

Facebook Comments